>> Saúde

Hospital Albert Einstein aposta em tecnologia para ter rede de comunicação robusta

Por: Redação, ⌚ 27/05/2022 às 12h45 - Atualizado em 27/05/2022 às 12h45

Ferramenta implementada em novo Centro de Pesquisa e Ensino, irá atender às necessidades de ambientes inteligentes e automatizados, que exigem uma rede de comunicação mais robusta e com flexibilidade para acompanhar a evolução das aplicações


A sustentabilidade e os recursos tecnológicos avançados são pontos de destaque no projeto do novo Centro de Pesquisa e Ensino em Saúde do Hospital Albert Einstein, inaugurado neste ano, em São Paulo.


Construído de acordo com os requisitos da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), o prédio possui jardins integrados à arquitetura, que abriga salas de aula, laboratórios, sala limpa e outras instalações de pesquisa médica, além de anfiteatro, auditório, espaço para exposições, restaurante e áreas de convivência.


Para dar suporte às necessidades de comunicação desse edifício moderno e sustentável, o hospital adotou a solução GigaLan da Furukawa, constituída de cabos e acessórios green de alta performance. Os produtos dessa linha são fabricados com revestimento em polietileno verde à base de etanol extraído da cana-de-açúcar, 100% reciclável e com baixa emissão de fumaça (LSZH) em caso de incêndio.


Além disso, a tecnologia foi desenvolvida para atender às necessidades de ambientes cada vez mais inteligentes e automatizados, que exigem uma rede de comunicação mais robusta e com flexibilidade para acompanhar a evolução das aplicações.


É o caso do novo Centro de Pesquisa e Ensino em Saúde Albert Einstein, instalado no bairro do Morumbi, na capital paulista. “O prédio tem um sistema de automação com 12 mil pontos lógicos, para controle de iluminação, persianas, áudio, vídeo e ar condicionado, todos interligados em rede”, revela Régis Gund, especialista em projetos de infraestrutura do hospital. “Esse sistema está conectado à rede corporativa, que tem 4.800 pontos e dará suporte a todos os equipamentos, sistemas e aplicações utilizados nas diversas áreas do prédio”, acrescenta.


Segundo Gund, a performance da rede é um requisito fundamental do projeto – ao lado da sustentabilidade. “Precisamos de uma infraestrutura de rede confiável, segura e que ofereça a velocidade necessária para suportar as várias aplicações”, explica Régis. Para atender essa necessidade, a Furukawa forneceu (por intermédio do distribuidor Klint) 171 quilômetros de cabos Categoria 6A, além de conectores, patch panels e outros produtos da linha GigaLan Green.


Executada pela integradora Seal Telecom, a implantação do projeto também contou com o apoio da Furukawa, que proporcionou treinamentos, certificação, garantia e suporte direto de sua área de engenharia. “Tudo isso contribui para dar mais segurança e confiabilidade ao projeto”, enfatiza Gund. 


Em função dos resultados obtidos com a adoção da solução GigaLan Green, o Centro de Pesquisa e Ensino em Saúde Albert Einstein recebeu da Furukawa um certificado que atesta a contribuição da instituição para a redução do efeito estufa – e, em consequência, para a sustentabilidade do planeta. Os 171 quilômetros de cabos green utilizados nas novas instalações equivalem a 1.648 quilos de CO2 da atmosfera capturados e fixados e a 1.134 quilos de composto derivado de petróleo que deixaram de ser consumidos – substituídos por 593 quilos de composto derivado de cana-de-açúcar.

>> Panorama