>> Mercado

Gartner prevê as novas funções que os líderes desempenharão com a ascensão do IoT

Analistas do Gartner explicam a importância dos executivos de TI na implementação de iniciativas de Internet das Coisas de suas organizações

Por: Redação, ⌚ 28/02/2020 às 15h35 - Atualizado em 28/02/2020 às 15h35

O digital foi a principal prioridade dos CIOs em 2019. E eles irão procurar por líderes de Infraestrutura & Operações (I&O) que entreguem e ofereçam suporte a novas tecnologias como a Internet das Coisas (IoT). Porém é mais fácil dizer isso do que executar, segundo o Gartner, Inc.

 

Com orçamentos estagnados e recursos reduzidos para a infraestrutura tradicional, os líderes de I&O precisam permanecer relevantes e provar que podem sustentar os negócios digitais. Iniciativas digitais exigem uma estratégia fundamentalmente diferente da I&O tradicional, que requer maior envolvimento com o restante da organização desde o início.

 

“Até 2022, 80% das principais organizações de Infraestrutura e Operações desenvolverão estratégias de I&O para as iniciativas de negócios digitais como Inteligência Artificial e IoT”, afirma Sanjit Ganguli, Vice-Presidente e Analista do Gartner. “Projetos de Internet das Coisas, em especial, são um espaço em que os líderes de I&O podem testar suas novas estratégias e provar seu valor para os negócios”.

 

Os projetos de IoT mais bem-sucedidos exigem uma abordagem organizacional abrangente de três grupos distintos:

 

I&O – Oferece integração, comunicação, análise e infraestrutura subjacente;

Linhas de negócios – Focam no estabelecimento de metas e alocação de recursos;

Equipes de operações – Focam em design e funcionalidade de produtos.

 

Tarefas como gerenciamento de projetos e segurança geralmente se enquadram nos três grupos. No entanto, as áreas de I&O deveriam estar cientes de todas as iniciativas de IoT para criar processos e documentação adequados.

 

Os líderes de I&O deveriam assumir um papel de liderança mais ativo – Cada iniciativa de IoT representa um papel potencial diferente para as áreas de Infraestrutura e Operações, com variados níveis de influência, responsabilidade e propriedade. Os líderes de I&O deveriam buscar um papel ativo em qualquer iniciativa de Internet das Coisas que precise de seu suporte.

 

O objetivo deveria ser: (1) avaliar quais programas e iniciativas existem e qual o seu papel; (2) identificar áreas em que eles possam garantir maior propriedade estratégica.

 

O Gartner estima que, nos próximos anos, mais e mais equipes de I&O terão a responsabilidade de guia, desenvolvedor ou operador sobre as iniciativas de IoT de suas organizações. Os líderes de Infraestrutura e Operações deveriam estar atentos e passar, sempre que possível, de um papel de meros espectadores para uma posição mais impositiva de direcionamento.

 

Os quatro papéis que os líderes de I&O podem assumir são:

 

1) Espectador:

– A área de I&O não está envolvida em nenhum estágio de iniciativas IoT;

– A LOB (subdivisão corporativa focada em um único produto ou família de produtos, do inglês line of business – LOB) ou a equipe de operações lideram o acompanhamento, a implementação e a operação da iniciativa.

 

2) Orientador:

– A área de I&O é a principal condutora de uma iniciativa IoT;

– A área de I&O orienta a justificativa de negócio, o início do projeto, a tomada de decisões técnicas, a implementação e as operações.

 

3) Operador:

– A área de I&O não conduz a iniciativa de IoT, mas é chamada após o estágio inicial para operar a solução IoT;

– As operações envolvem o gerenciamento da infraestrutura de terminais de borda, conexão com a plataforma IoT e integração com sistemas corporativos (rede, servidor e armazenamento);

– Também pode incluir algumas análises de dados IoT;

– Essa função geralmente é associada à função de implementador.

 

4) Implementador:

– A área de I&O não direciona a iniciativa de IoT (função a cargo da LOB ou da equipe de operações);

– A área de I&O é responsável pela implementação da iniciativa IoT, incluindo Edge, plataforma e integração à arquitetura corporativa já existente; isso geralmente acontece após a fase piloto ter sido concluída;

– A área de I&O também pode, ou não, operar os sistemas IoT, mas provavelmente herdará a função.

 

 

>> Panorama