>> Mercado

Estudo revela que 75% dos brasileiros confiam mais em robôs do que nos humanos

Por: Redação, ⌚ 18/02/2021 às 16h59 - Atualizado em 19/02/2021 às 18h08

Pesquisa global da Oracle mostra confiança crescente entre consumidores e líderes empresariais de que os robôs lidam melhor com tarefas financeiras do que pessoas


O ano de 2020 mudou nossa relação com o dinheiro e as pessoas agora confiam mais nos robôs do que em si mesmas para gerenciar suas finanças, de acordo com um novo estudo da Oracle e da especialista em finanças pessoais Farnoosh Torabi.


O estudo com mais de 9 mil consumidores e líderes empresariais em 14 países, incluindo 500 entrevistados brasileiros, descobriu que a pandemia COVID-19 aumentou a ansiedade financeira, a insegurança entre as pessoas ao redor do mundo mudou as atitudes e a maneira de como administrar as finanças. Além disso, de acordo com a pesquisa, o papel e o foco das equipes de finanças corporativas e consultores financeiros pessoais estão sendo reavaliados.


“Os processos financeiros em nossos mundos pessoal e profissional tornaram-se cada vez mais digitais por muitos anos e os eventos de 2020 aceleraram essa tendência. Digital é o novo normal e tecnologias como inteligência artificial e chatbots desempenham um papel vital na gestão financeira. Nossa pesquisa indica que os consumidores confiam nessas tecnologias para acelerar seu bem-estar financeiro, em vez de consultores financeiros pessoais, e os líderes de negócios vêem essa tendência remodelando o papel dos profissionais de finanças corporativas”, disse Alexandre Maioral, vice-presidente de Aplicativos da Oracle Brasil.


COVID-19 criou ansiedade financeira

A pandemia global influenciou a relação das pessoas com o dinheiro:


• Entre os líderes empresariais, a ansiedade financeira e o estresse aumentaram 176% e a tristeza 150%; a ansiedade e o estresse financeiros do consumidor aumentaram 79% e a tristeza, 64%;


• 95% dos líderes brasileiros estão preocupados com o impacto da COVID-19 em sua organização, sendo as preocupações mais comuns: lenta recuperação econômica ou recessão (50%), cortes no orçamento (42%) e falência (41%);


• 91% dos consumidores brasileiros enfrentam temores financeiros, incluindo perda de emprego (34%), perda de poupança (41%) e nunca sair das dívidas (35%);


• Essas preocupações mantêm as pessoas acordadas à noite: 45% dos consumidores relataram perder o sono devido a suas finanças pessoais.


As pessoas querem ajuda e agora confiam mais nos robôs do que em si mesmas para gerenciar as finanças


A incerteza financeira criada pela COVID-19 mudou em quem e o que confiamos para administrar nossas finanças. Para ajudar a explorar a complexidade financeira, os entrevistados dependem cada vez mais da tecnologia:


• 75% dos consumidores e líderes empresariais confiam mais em um robô para gerenciar as finanças do que em um ser humano.


• 69% deles confiam mais em um robô do que em si mesmos para gerenciar as finanças; 76% confiam em robôs em vez de em suas próprias equipes financeiras.


• 93% dos entrevistados acreditam que os robôs podem melhorar seu trabalho detectando fraudes (55%), criando notas fiscais (24%) e realizando análises de custo / benefício (30%).


• 56% dos consumidores confiam mais em um robô do que em si mesmos para gerenciar suas finanças; 74% confiam em robôs em vez de consultores financeiros pessoais.


• 84% dos consumidores acreditam que os robôs podem ajudar na gestão financeira ajudando na detecção de fraudes (54%), ajudando a reduzir gastos (43%) e fazendo investimentos em bolsa (28%).


O papel das equipes financeiras e consultores financeiros nunca mais será o mesmo


Para se adaptarem à influência e ao papel crescentes da tecnologia, os profissionais e consultores de finanças pessoais devem abraçar a mudança e desenvolver novas habilidades:


• 61% dos líderes empresariais acreditam que os robôs substituirão os profissionais de finanças corporativas nos próximos cinco anos;


• 92% deles querem a ajuda de robôs para tarefas financeiras, incluindo aprovações financeiras (53%), orçamento e previsão (33%), relatórios (52%) e gerenciamento de conformidade e risco (46%);


• Os líderes empresariais desejam que os profissionais de finanças corporativas se concentrem na comunicação com os clientes (37%), na negociação de descontos (37%) e na aprovação de transações (32%);


• 53% dos consumidores acreditam que os robôs substituirão os consultores financeiros pessoais nos próximos cinco anos;


• Os consumidores querem robôs para ajudá-los a administrar suas finanças, liberando tempo para outras tarefas (39%), reduzindo gastos desnecessários (46%) e aumentando os pagamentos em dia (27%);


• Os consumidores querem que os consultores financeiros pessoais forneçam orientações sobre as principais decisões de compra, como comprar uma casa (37%), comprar um carro (35%) e planejar a aposentadoria (21%).


Nossa relação com o dinheiro mudou; é hora de adotar inteligência artificial para gerenciar finanças


Os eventos de 2020 mudaram a maneira como os consumidores administram o dinheiro exigindo que as organizações repensem como usam IA e outras novas tecnologias para gerenciar processos financeiros.


• 77% dos consumidores afirmam que a pandemia mudou a maneira como compram bens e serviços.


• 91% dos consumidores afirmam que os acontecimentos de 2020 mudaram a forma como se sentem em relação ao dinheiro, com as pessoas se sentindo ansiosas (34%), com medo (42%) e sujas (8%). Quase metade (49%) dos consumidores agora afirma que apenas o dinheiro é um obstáculo para fazer negócios.


• As empresas responderam rapidamente. 87% dos líderes investiram em recursos de pagamento digital e 75% criaram novas formas de engajamento do cliente ou mudaram seus modelos de negócios em resposta ao COVID-19.


• 54% das organizações já usam IA para gerenciar processos financeiros, em comparação com 31% dos consumidores.


• 94% dos líderes de negócios dizem que as organizações que não repensam os processos financeiros enfrentarão riscos, incluindo ficar para trás dos concorrentes (62%), trabalhadores mais estressados (43%), relatórios imprecisos (42%) e produtividade reduzida dos funcionários (44%).


“Gerenciar as finanças é difícil nos melhores momentos, e a incerteza financeira da pandemia global exacerbou os desafios financeiros em casa e no trabalho. Os robôs estão bem posicionados para ajudar – eles são ótimos com números e não têm a mesma conexão emocional com dinheiro. Isso não significa que os profissionais de finanças estão saindo ou sendo substituídos totalmente, mas a pesquisa sugere que eles devem se concentrar no desenvolvimento de habilidades sociais adicionais à medida que seu papel evolui”, disse Farnoosh Torabi, especialista em finanças pessoais e apresentadora do podcast So Money.

>> Panorama