>> Mercado

88% dos líderes latino-americanos reconhecem a importância da IA ética

Por: Redação, ⌚ 05/05/2022 às 16h15 - Atualizado em 05/05/2022 às 16h15

De acordo com o estudo, os executivos da América Latina (66%) concordaram que as ações de sua organização são consistentes com seus princípios e valores, três vezes mais do que a média mundial


Um novo estudo global da IBM revelou uma mudança radical nas funções responsáveis ​​por liderar e defender a ética da IA (Inteligência Artificial) ​​em uma organização: 80% dos entrevistados apontaram um executivo não técnico – CEO – como o principal “campeão” da ética da IA, um aumento considerável em relação aos 15% em 2018.


O estudo global também indica que, apesar de um forte imperativo para o avanço da IA ​​confiável, incluindo melhor desempenho em comparação com seus pares em sustentabilidade, responsabilidade social e diversidade e inclusão, permanece uma lacuna entre a intenção dos líderes e as ações significativas. 


No caso da América Latina, os executivos são mais otimistas, com 66% dos entrevistados dizendo que as práticas e ações de sua organização correspondem (ou excedem) seus princípios e valores declarados, colocando-os atrás da América do Norte (81%) e do Japão (71%) para a mesma pergunta. Se considerarmos o índice médio global, menos de 20% concordaram com isso.


O estudo também concluiu que:


Executivos de negócios agora são vistos como a força motriz da ética da IA


• 21% dos entrevistados da América Latina consideram os CEOs como os principais responsáveis ​​pela ética da IA.


• Na região, 64% dos entrevistados indicaram CEO e outros C-Level como uma forte influência na estratégia de ética de sua organização.


• 67% dos entrevistados na América Latina apontaram o conselho como tendo uma forte influência, assim como a comunidade de acionistas (60%), funcionários (59%) e clientes (56%).


Construir uma IA confiável é percebido como um diferencial estratégico e as organizações estão começando a implementar mecanismos de ética em IA.


• 88% dos líderes da América Latina pesquisados ​​concordam que a ética da IA ​​é importante para suas organizações. Ao mesmo tempo, 89% dos entrevistados acreditam que é uma fonte de diferenciação competitiva.


• Empresas em todo o mundo já começaram a avançar. Mais da metade dos entrevistados em todo o mundo disse que suas organizações tomaram medidas para incorporar a ética da IA ​​em sua abordagem de ética nos negócios.


• Mais de 56% dos entrevistados na região da América Latina dizem que suas organizações criaram mecanismos de ética específicos de IA, como uma estrutura de avaliação de risco de projeto de IA e um processo de auditoria/revisão.


Construir uma IA confiável é percebido como um diferencial estratégico e as organizações estão começando a implementar mecanismos de ética em IA.


• 88% dos líderes da América Latina pesquisados ​​concordam que a ética da IA ​​é importante para suas organizações. Ao mesmo tempo, 89% dos entrevistados acreditam que é uma fonte de diferenciação competitiva.


• Empresas em todo o mundo já começaram a avançar. Mais da metade dos entrevistados em todo o mundo disse que suas organizações tomaram medidas para incorporar a ética da IA ​​em sua abordagem de ética nos negócios.


• Mais de 56% dos entrevistados na região da América Latina dizem que suas organizações criaram mecanismos de ética específicos de IA, como uma estrutura de avaliação de risco de projeto de IA e um processo de auditoria/revisão.


Garantir que os princípios éticos sejam incorporados às soluções de IA é uma necessidade urgente para organizações em todo o mundo


• Globalmente, mais CEOs pesquisados ​​(79%) agora estão preparados para incorporar a ética da IA ​​em suas práticas de IA – bem acima dos 21% em 2018 


• Mais da metade das organizações globais endossou publicamente princípios comuns de ética em IA. No entanto, menos de um quarto colocou em prática.


• 68% das organizações globais pesquisadas reconhecem que ter um local de trabalho diversificado e inclusivo é importante para mitigar o viés na IA, mas os resultados indicam que as equipes de IA ainda são substancialmente menos diversificadas do que a força de trabalho de suas organizações: 5,5 vezes menos inclusivas de mulheres, 4 vezes menos inclusiva de indivíduos LGBT+ e 1,7 vezes menos racialmente inclusiva.


“Como muitas empresas hoje usam algoritmos de IA em seus negócios, elas potencialmente enfrentam crescentes demandas internas e externas para projetar esses algoritmos para serem justos, seguros e confiáveis; ainda assim, houve pouco progresso em todo o setor na incorporação da ética da IA ​​em suas práticas”, disse Jesus Mantas, sócio-gerente global da IBM Consulting.


A hora das empresas agirem é agora. Os dados do estudo sugerem que as organizações que implementam uma ampla estratégia de ética em IA entrelaçada em todas as unidades de negócios podem ter uma vantagem competitiva no futuro. 


O estudo fornece ações recomendadas para líderes empresariais, incluindo:


1) Adote uma abordagem multifuncional e colaborativa – a IA ética requer uma abordagem holística e um conjunto de habilidades em todas as partes interessadas envolvidas no processo de ética da IA. Executivos, designers, cientistas comportamentais, cientistas de dados e engenheiros de IA da linha de negócios têm um papel distinto na jornada confiável da IA.
 

2) Estabeleça a governança organizacional e do ciclo de vida da ​​IA – adote uma abordagem holística para incentivar, gerenciar e governar soluções de IA em todo o ciclo de vida da IA, desde o estabelecimento da cultura certa para nutrir a IA com responsabilidade, até práticas e políticas para produtos.


3) Vá além de sua organização – expanda sua abordagem identificando e envolvendo os principais parceiros de tecnologia com foco em IA, acadêmicos, startups e outros parceiros do ecossistema para estabelecer “interoperabilidade ética”.

>> Panorama