>> Mercado

60% das organizações afirmam ter recursos para a transformação digital

Por: Redação, ⌚ 29/01/2021 às 11h13 - Atualizado em 29/01/2021 às 11h14

Relatório relevou que todos os setores progrediram em suas capacidades de transformação digital, com o Covid-19 sendo o catalisador; varejo (73%) e telecomunicações (71%) lideram


Quase dois terços das organizações hoje têm os recursos digitais (60%) e de liderança (62%) necessários para implementar a transformação digital com sucesso – um aumento de 36% em ambas as frentes em apenas 2 anos. Isso está de acordo com o estudo Digital Mastery 2020: How organizations have progressed in their digital transformations over the past two years (em tradução livre: Digital Mastery 2020: Como as organizações progrediram em suas transformações digitais nos últimos dois anos), o mais novo relatório do Capgemini Research Institute.


Para entender como as organizações progrediram em seus recursos digitais nos últimos 2 anos, a Capgemini examinou as classificações médias em quatro categorias: talento e organização, operações, inovação do modelo de negócios e experiência do cliente (em inglês, CX).


A pesquisa de 2020 da Capgemini, em comparação com a de 2018 sobre domínio digital, descobriu que enquanto todas as organizações estão se saindo melhor em suas jornadas de transformação digital em 2020, os Digital Mastery (em tradução livre, Mestres Digitais) – organizações com um alto nível de domínio em recursos digitais e de liderança – estão aumentando a lacuna para seus concorrentes. O COVID-19 tem sido um acelerador poderoso e, dada a urgência de mudança, as organizações se tornaram mais entusiasmadas e otimistas quanto à maturidade de suas capacidades. Paralelamente, as organizações têm dedicado tempo desde 2018 para avaliar os desafios que atrapalham o sucesso, aumentando seu investimento na transformação digital e na adoção de tecnologias emergentes e colocando um foco renovado no talento e na cultura. 


Grandes organizações, com US$ 10 bilhões ou mais em receita, têm uma vantagem em recursos digitais e de liderança. Cerca de 68% dessas organizações afirmam ter os recursos digitais necessários, em comparação com 55% daquelas com menos de US$ 10 bilhões em receita. Quando se trata de capacidades de liderança, o gap é semelhante: 57% destas organizações afirmam que têm as capacidades de liderança necessárias, algo ligeiramente abaixo da média geral de 62% e abaixo dos 70% observados em grandes organizações. 


De uma perspectiva setorial, todos os setores progrediram em suas capacidades digitais e de liderança nos últimos 2 anos. O varejo agora ultrapassa todos os outros setores, com 73% das organizações de varejo dizendo que têm os recursos digitais necessários para a transformação, ante 37% há 2 anos. Depois do varejo, o setor de telecomunicações segue com 71% das organizações dizendo que têm os recursos digitais necessários. As operadoras de telecomunicações estão remodelando a proposta de valor para o consumidor, criando experiências digitais completas. O setor automotivo lidera em termos de crescimento de capacidade, tendo aumentado suas capacidades digitais de 32% para 69% em 2018. 


Iniciativas de talento e cultura têm precedência


A pesquisa de 2018 da Capgemini revelou que a dimensão das pessoas foi uma barreira significativa para a transformação digital, pois as organizações não conseguiram trazer os funcionários com elas na jornada de transformação. No entanto, mais organizações hoje envolvem funcionários em suas iniciativas digitais: 63% em 2020, contra 36% em 2018. Apesar desse progresso, quando se trata de construção de habilidades, a Capgemini descobriu que menos da metade das organizações (48%) estão investindo na construção de habilidades sociais como inteligência emocional, adaptabilidade e colaboração. A pesquisa da Capgemini também constatou de forma consistente que a cultura é a principal barreira para uma transformação digital bem-sucedida, com algumas organizações, por exemplo, não tendo uma cultura na qual novas ideias e experimentação são valorizadas. 


Acelerar os investimentos em sustentabilidade é fundamental para a transformação digital de hoje 


O relatório destaca que embora as organizações devam ficar de olho em fatores como experiência do cliente, operações e tecnologia de negócios, elas também devem enfatizar a sustentabilidade como seu propósito mais amplo, que se tornou importante para clientes e funcionários. Os consumidores estão cada vez mais preocupados com a pegada ambiental e o impacto das mudanças climáticas e querem fazer a diferença com suas ações – 78% dos consumidores concordam que as empresas têm um papel maior a desempenhar na sociedade além de seus próprios interesses. A pesquisa mais recente da Capgemini descobriu que atualmente apenas 45% das organizações estão acelerando os investimentos, projetos e compromissos de sustentabilidade.


Para avançar ainda mais em sua jornada de transformação digital, o relatório recomenda que as organizações reinventem a experiência dos seus funcionários, aproveitando a força de trabalho fluida e garantindo que os contratos sociais dos colaboradores se alinhem com a era digital. Além disso, eles devem construir dados robustos e recursos de plataforma, dimensionar novos negócios e modelos de engajamento e incorporar propósito e sustentabilidade como uma parte central do negócio, tornando-se parte da cultura organizacional e vendo a tecnologia a partir dos aspectos “gêmeos” da transformação digital e sustentabilidade. 


“O progresso feito na construção das capacidades digitais e de liderança necessárias em apenas 2 anos é impressionante, o que nos levou a realizar esta pesquisa. O ritmo acelerado e contínuo de inovação tecnológica e interrupção do modelo de negócios nos últimos 2 anos – com o COVID-19 forçando muitas empresas a se reinventarem – possivelmente impulsionou esse avanço”, disse Claudia Crummenerl, diretora administrativa, de pessoas e organização da Capgemini Invent.

>> Panorama