>> Mercado

4 abordagens para aumentar a eficácia da transformação digital no setor de TI

Por: Redação, ⌚ 06/06/2022 às 13h18 - Atualizado em 06/06/2022 às 13h19

Embora resultados indiquem grandes avanços globais, cenário brasileiro ainda enfrenta desafios no processo de inovação


A Infosys divulgou o relatório anual Digital Radar, que analisa os avanços globais  da transformação digital. Em 2020, 10% das companhias ainda avaliavam a adoção da transformação digital para ativamente implantarem o conceito. Agora, 100% das corporações já estão engajadas na transformação digital. 


Outro ponto importante destacado no relatório é o papel de práticas ESG dentro das companhias, já que essas iniciativas fornecem direção, clareza e lucros. Conforme o estudo, quando as empresas pesquisadas tinham altos níveis de adoção de tecnologia e forte compromisso com ESG, em mais de 80% das vezes elas também usavam a tecnologia de forma mais eficaz.


No entanto, para o diretor sênior da Infosys, Paulo Sérgio Rodrigues, os índices globais ainda não se refletem no cenário brasileiro.


“Por um lado, é importante que tenhamos evoluído neste quesito, mostrando que as empresas estão, hoje, com uma compreensão muito maior da importância que a tecnologia possui em todos os aspectos das nossas vidas. Mas o caminho que ainda temos que percorrer aqui no Brasil nos distancia ainda mais deste cenário, o que liga um alerta da necessidade de investirmos urgentemente neste desenvolvimento”, comenta o diretor. 


Rodrigues explica que, localmente, a transformação digital é vista como um ganho de eficiência e não de eficácia, ou seja, é preciso compreender a importância de trabalhar o conceito não como uma substituição da mão-de-obra humana por tecnologia, mas incorporando soluções inovadoras e mantendo o ser humano no centro de todas essas decisões. 


Abaixo, a companhia apresenta os quatro fatores que auxiliam para o aumento dessa eficácia no processo de transformação digital:


1) Integração da experiência no modelo operacional: 40% das empresas pesquisadas afirmaram que queriam que a tecnologia abordasse as metas de experiência mais do que a eficiência.


2) Elevação do elemento humano ao longo do ciclo de vida: as práticas Agile aprimoram as experiências humanas. As empresas que implementaram Agile em 60% de suas equipes e iniciaram sua jornada há menos de dois anos tiveram 10% mais chances de crescer mais rápido do que seus concorrentes.


3) Formação de equipes diversificadas e dedicadas para que as soluções tecnológicas atendam às necessidades de todos: as organizações com alta diversidade pontuaram 77,1% na escala de eficácia da tecnologia, enquanto as com média e baixa diversidade pontuaram 72,3% e 67,4%, respectivamente.


4) Avaliação de iniciativas usando a meta ESG: metas baseadas na ciência podem ser usadas para medir formalmente atributos ambientais, como emissões, ou ser usadas em áreas como governança ética. Tecnologias como blockchain, computação em nuvem e internet das coisas (IoT) podem ajudar as empresas a definir e atingir suas metas climáticas.


“Essa pesquisa nos apresenta um panorama muito bom sobre o que vamos encontrar pela frente, além de indicar de que forma podemos aprender e replicar esses fatores no Brasil para que seja possível atingir esse nível acelerado de transformação digital. Dessa forma, também vamos ter muito a comemorar daqui três ou quatro anos após implementarmos essas mudanças”, acrescenta Rodrigues.

>> Panorama