>> Finanças

PIX cria cenário para inovação no mercado financeiro

Por: Redação, ⌚ 16/11/2020 às 15h38 - Atualizado em 17/11/2020 às 10h50

Segundo a plataforma Bit Capital, cenário é favorável para a democratização dos pagamentos e melhoria dos serviços oferecidos pelas fintechs e bancos cadastrados


O PIX chega para expandir a concorrência no mercado financeiro, o que afeta positivamente o serviço oferecido por bancos, instituições financeiras e empresas de pagamentos, além de promover uma melhora nos produtos e custos para o consumidor final. O serviço começa a ser disponibilizado hoje (16) para todas as pessoas e empresas cadastradas. De acordo com a Bit Capital , fintech que oferece uma plataforma de open finance baseada em blockchain e que ajuda outras empresas na implementação do PIX, a modalidade deve revolucionar o mercado brasileiro, criando um cenário favorável para a inovação, surgimento de novos produtos, serviços e até mesmo empresas.


“O novo sistema de pagamentos permite que novas empresas surjam com modelos de negócio disruptivos, que é algo que historicamente vem acontecendo a mercê das inovações do BC. Como exemplo, temos a criação da regulação de IPs, permitindo desenvolvimento acelerado do Nubank; e mais recentemente novas regras para formação de “instituições financeiras” (SEPs e SCDs), impulsionando a Creditas. O PIX oferece novas oportunidades para que haja maior inclusão financeira, melhora nas taxas e serviços compatíveis com a vida financeira de pessoas e empresas”, afirma Francesco Miolo, CFO da Bit Capital.


Como funciona


A partir do dia 16 de novembro, todas as pessoas e empresas estão aptas a utilizar o PIX em uma das 762 empresas que foram aprovadas pelo BC para oferecer o novo sistema, incluindo instituições financeiras, bancos, instituições de pagamentos, sociedades de empréstimo e sociedade de crédito direto.


“O PIX permitirá que empresas dos mais variados ramos consigam competir em pé de igualdade no mercado. Em dezembro, o BC abrirá novamente o cadastro, dessa vez sem prazo de encerramento, dando a oportunidade para que mais bancos, instituições de pagamento, varejistas, e-commerces, adquirentes e sub-adquirentes possam oferecer o serviço”, destaca Francesco.


As transações poderão ser realizadas 24 horas por dia, durante todos os dias, incluindo fins de semana e feriados, e serão totalmente gratuitas para microempreendedores individuais e pessoas físicas. A mudança não acontece apenas na forma de transferência de dinheiro, mas também desencadeia uma série de melhorias operacionais. Com o dinheiro disponível na hora, não é mais necessário esperar que as transações sejam completas, como o pagamento via TED, que pode levar horas até estar disponível. A ferramenta auxilia também na diminuição da desistência de vendas, já que não é mais necessário aguardar até dois dias úteis para que o pagamento via boleto caia na conta de um lojista, para só então disponibilizar o produto.


“Vale ressaltar que a nova infraestrutura permitirá também uma integração eficiente entre bancos e carteiras digitais, que até então não conversavam entre si, possibilitando o desenvolvimento de parcerias entre fintechs, varejistas e instituições tradicionais “, conclui Miolo.


As transações poderão ocorrer entre diferentes entes. Transações P2P – entre pessoas; transações P2B, entre pessoas e estabelecimentos comerciais, incluindo o comércio eletrônico; B2B; entre estabelecimentos, como o pagamento de fornecedores, e P2G e B2G, que são transferências que envolvem taxas governamentais, como o pagamento de taxas e impostos. O limite máximo das transações, que podem ser realizadas por meio de uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga, é pré-estabelecido pelas regras de compliance de cada instituição.

>> Panorama