>> Destaque - Mercado

Oracle anuncia segunda região de nuvem em São Paulo

Por: Léia Machado, ⌚ 12/05/2021 às 16h00 - Atualizado em 12/05/2021 às 16h10

Estratégia de contar com duas regiões segue demanda das empresas pela jornada de migração para a nuvem


A nuvem segue em alta dentre as principais demandas de tecnologia e transformação digital. E para apoiar as empresas nessa jornada para a nuvem, a Oracle anunciou hoje (12) a segunda região de cloud, em Vinhedo (São Paulo). Essa iniciativa segue a abertura de São Paulo, em 2019, fazendo com que o Brasil seja o mais novo país a oferecer duas regiões.


A abertura marca a 30ª região de nuvem da Oracle no mundo e é parte do plano global da empresa de operar 38 regiões até o final de 2021. A ideia da Oracle é trabalhar com organizações para ajudá-las a migrarem para a nuvem com segurança e em conformidade com os regulamentos de soberania de dados.


Na nova região, os serviços serão ofertados com o mesmo padrão dos demais, com recursos de networking, data center, nuvem, software, energia e telecomunicações. “A escolha por criar uma segunda região também no estado de São Paulo foi estratégica, miramos facilidades de conectividade, go to Market e demanda dos clientes. Mas nada impede que tenhamos estudos para abrir novas regiões de cloud em outros locais do país”, acrescenta Rodrigo Galvão, presidente da Oracle Brasil, durante coletiva de imprensa online realizada hoje.


O anúncio de hoje vem na sequência da recente expansão da parceria de interoperabilidade de nuvem entre Oracle e Microsoft para ajudar os clientes em comum mundialmente, como a TIM Brasil, que está migrando seus dados de missão crítica para Oracle Cloud e Microsoft Azure. Essa interconectividade significa que as empresas podem agora levar suas cargas de trabalho para as regiões de nuvem da Oracle e Microsoft no país.


A Oracle tem uma estratégia exclusiva de duas regiões de nuvem que permite aos clientes implantarem aplicativos resilientes em diversos locais separados geograficamente para recuperação de desastres e com requisitos de conformidade – sem que dados confidenciais saiam do país.


A nova região de nuvem fornecerá serviços Oracle Cloud Infrastructure, incluindo Oracle Autonomous Database, Kubernetes, solução Oracle Cloud VMware, Oracle Cloud Infrastructure e Oracle Cloud Applications. A região de nuvem de Vinhedo terá disponibilidade contínua de até 99,995%, garantindo que não haja interrupções.


Casos de uso


A SKY iniciou seu plano para jornada de transformação digital em 2018, quando a operadora de TV por satélite optou por usar Oracle Autonomous Database para executar análises automatizadas em tempo. O sistema opera na infraestrutura Oracle Cloud Infrastructure (OCI). A experiência gerou resultados importantes e, por isso, a SKY decidiu migrar, ainda este ano, 80% de seus datacenters para a infraestrutura na nuvem da Oracle.


Segundo André Nazaré, diretor de Infraestrutura e TI da SKY, migrar para a nuvem é um caminho natural. “Optamos por uma migração gradual, criando grupo interno focado em cloud para evoluir a ideia dentro da empresa e isso foi um facilitador do projeto na Sky”. Ele acrescenta que até 2022 100% dos data centers estarão em nuvem.


O diretor também comentou que o momento do mercado demanda agilidade da empresa que encontrou na OCI uma forma de atingir um time to market melhor. “Precisamos ter uma praticidade de fazer experimentações de produtos para desenvolver novas soluções. Com a OCI teremos oportunidade de inovar, testar e criar novas ofertas”, destacou.


Já a TIM Brasil decidiu fazer a migração de 100% dos seus datacenters em linha com plano estratégico da empresa, que envolve digitalizar todos os processos, inclusive nas plataformas de atendimento e relacionamento.


A empresa firmou contrato com Oracle e Microsoft, que permitirá à empresa aprimorar processos de atendimento ao cliente, operações internas e gestão de plataformas digitais com rapidez, escalabilidade e segurança.


“Nossa proposta é levar a experiência do cliente a um novo patamar, com mais eficiência e agilidade, sempre com os mais altos níveis de segurança. Estamos acompanhando o movimento de mercado e investindo em áreas como Analytics e Digital, fundamentais para a expansão dos negócios, e contamos com parceiros nessa iniciativa”, completa Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil.

>> Destaques