>> Varejo

Empresas falham no relacionamento com cliente durante Black Friday

Estudo encomendado pela Freshworks mostra que 54% pessoas acreditam que a gestão de relacionamento com os clientes durante a Black Friday não foi satisfatório; 41% delas ainda não tem confiança nos descontos aplicados na data

Por: Redação, ⌚ 29/11/2018 às 16h33 - Atualizado em 29/11/2018 às 16h33

Na última sexta-feira, 23 de novembro, foi celebrada a tão aguardada Black Friday, data quando tradicionalmente o comércio traz grandes descontos em todos os tipos de produtos, fazendo o dia ser um dos mais rentáveis do ano. Com cada vez mais pessoas optando por fazer suas compras pela Internet, as lojas virtuais também aproveitam a onda e tentam faturar no momento, mas, quando compramos online, temos todo o suporte necessário?

 

Em pesquisa com 523 pessoas encomendada pela Freshworks para a Toluna, a maioria das pessoas (54%), disseram que as empresas pecam na gestão de relacionamento com o cliente durante a data, mostrando que as lojas virtuais podem ganhar ainda mais se esse serviço for satisfatório.

 

“Claramente, os atuais sistemas de CRM (Customer relationship management) não estão atendendo às expectativas dos usuários, e essa é uma falha que pode fazer as lojas online perder além de vendas, uma maior fidelização dos clientes”, afirma Girish Mathrubootham, CEO da Freshworks.

 

Apesar de apenas 10% das pessoas terem reportado problemas com compras durante a data a maioria delas utilizou e-mail (34%) e telefone (29%) para realizar sua reclamação, com os chats no site (18%) e redes sociais (8%) vindo em sequência na lista.

 

Veracidade da Black Friday discutida

 

Mesmo sendo uma das datas mais esperadas para as pessoas que querem aproveitar e comprar alguma coisa com desconto, uma parte significante delas, 41%, ainda acreditam que as empresas não são verdadeiras quando se trata de cortar o preço dos produtos. Apesar disso, na pesquisa da Freshworks, 75% disseram que fizeram alguma compra nesta última Black Friday.

 

Os produtos mais comprados foram roupas (46%), eletrônicos (41%) e utensílios para casa (39%).

 

>> Panorama