>> Mercado

Plataformas de serviços baseadas em IoT vão acelerar transição energética

A Minsait, uma empresa Indra, comparou os benefícios destas tecnologias em vários projetos relacionados a recursos energéticos distribuídos e armazenamento de energia

Por: Redação, ⌚ 25/11/2019 às 17h26 - Atualizado em 25/11/2019 às 17h27

A Minsait afirma que a Internet das Coisas e análise avançada de dados são tecnologias fundamentais para acelerar a geração distribuída de energia. A companhia trabalha para responder aos desafios do setor e promover a descarbonização e eficiência energética em todo o mundo.

 

“A prioridade de inovação está relacionada à transformação digital dos principais negócios das empresas de energia, e em particular, ao desenvolvimento de soluções que sejam capazes de trazer na prática os grandes avanços tecnológicos que estão ocorrendo no setor. Algumas delas são armazenamento de energia, geração distribuída, mobilidade elétrica ou gestão de demanda ativa, incluindo o surgimento de tecnologias como a Internet das Coisas ou Big Data”, aponta Leonardo Benitez, diretor de Energia & Utilities da Minsait.

 

Como inciativa prática disso, o executivo destaca o desenvolvimento de uma plataforma de dados aberta baseada na Onesait Platform, a plataforma com capacidades de Big Data e IoT da Minsait, como fundamental para conectar todos os prosumidores (termo que define o consumidor que também produz energia) aos operadores de rede em tempo real, com monitoramento eficaz dos serviços de energia.

 

Outra iniciativa é a construção e operação de uma microrrede na Universidade de Monash, a maior da Austrália, gerenciada pelo Active Grid Management (AGM), a solução Internet of Things Industrial desenvolvida pela Minsait. Especialistas preveem que em 2020 a universidade já deve gerar 7 gigawatts/hora de eletricidade, o suficiente para abastecer 1.000 lares por um ano inteiro.

 

“Esse projeto mostra como uma rede alimentada por fontes de energia renováveis e com uma forte penetração de recursos energéticos distribuídos (DERs), como baterias, veículos elétricos ou geração fotovoltaica, pode operar com segurança e eficiência”, disse Benítez.

 

 

>> Panorama