>> Mercado

5 necessidades das instituições de saúde no cenário atual

De acordo com Ana Paula Assis, Gerente Geral da IBM América Latina, o atual cenário de pandemia devido o coronavírus está forçando as organizações e entidades a se transformarem para fornecer serviços que podem ajudar os sistemas hospitalares, profissionais de saúde e pesquisadores

Por: Redação, ⌚ 21/05/2020 às 13h54 - Atualizado em 21/05/2020 às 13h57

O momento atual sem precedentes está forçando organizações e entidades que desempenham as funções mais essenciais da sociedade a se transformarem rapidamente para continuar a fornecer serviços que podem ajudar os sistemas hospitalares, profissionais de saúde e pesquisadores.

 

Essa situação impôs demandas inéditas a pessoas e estabelecimentos, assim como a sistemas e processos. O uso da tecnologia ajuda a enfrentar alguns dos desafios mais importantes que o setor de saúde enfrenta atualmente. Por exemplo, a tecnologia vem ajudando a automatizar processos e analisar dados, unificando as informações dos pacientes, apoiando hospitais e profissionais de saúde nos cuidados com os pacientes, além de oferecer apoio a pesquisadores que continuam investigando novos tratamentos.

 

De fato, algumas organizações na América Latina já estão implementando tecnologias como Inteligência Artificial, Blockchain ou Cloud, para ajudar a resolver cinco dos problemas mais comuns que o setor está enfrentando:

 

1) Informação: respondendo as perguntas dos cidadãos

 

As soluções virtuais baseadas em IA podem ser usadas para ajudar a responder algumas dúvidas dos cidadãos sobre a COVID-19. Utilizando recursos de processamento de linguagem natural para entender como responder a perguntas comuns relacionadas à COVID-19, as entidades podem usar a tecnologia para ajudá-los a atender às demandas dos cidadãos. Por exemplo, na Colômbia, o Governo Nacional acaba de lançar um assistente virtual baseado no IBM Watson Assistant for Citizens para fornecer respostas às perguntas dos cidadãos sobre a COVID-19. O assistente está disponível no site coronaviruscolombia.gov.co e pode responder a perguntas freqüentes sobre o COVID-19, como “Quais são os sintomas?”, “Como faço para limpar minha casa corretamente?” e “Como me protejo?”.

 

2) Controle de infecção: dando suporte à força de trabalho para ajudar a monitorar infecções

 

A inteligência artificial pode ajudar a identificar potencialmente alguns dos sintomas associados à Covid-19. A companhia chilena Codelco – a maior produtora de cobre do mundo – implementou um agente virtual baseado no IBM Watson Assistant, que atua como uma triagem inteligente para apoiar sua força de trabalho em questões de saúde relacionadas ao coronavírus, visando ajudar a monitorar a saúde dos funcionários.

 

3) Sistemas hospitalares: ajudando a reduzir a sobrecarga dos hospitais

 

Outra preocupação das entidades de saúde com o novo coronavírus é evitar sobrecarregar hospitais e sistemas de saúde. Esse é o objetivo do site CoronaBr. O enfermeiro virtual “Pedro do CoronaBr” faz as primeiras perguntas que um enfermeiro provavelmente faria em uma triagem hospitalar, com base no protocolo seguido pela Organização Mundial da Saúde e pelo Ministério da Saúde. Isso permite uma avaliação dos pacientes para classificar os que precisam de cuidados médicos e os que não precisam, orientando aqueles com sintomas que podem ficar em casa. Esta solução conta com a infraestrutura de nuvem pública da IBM.

 

4) Cuidado com o paciente: unificando registros

 

Outro ponto fundamental para as instituições de saúde são os dados e informações geradas por cada paciente. Um dos principais desafios enfrentados pelos sistemas de saúde é a fragmentação das informações dos pacientes nos centros de saúde, hospitais, laboratórios, companhias de seguros e o restante do sistema de saúde. As soluções baseadas em blockchain podem ajudar a unificar os registros dos pacientes com os níveis necessários de criptografia e transparência. Por exemplo, a Healthchain desenvolveu uma rede que usa IBM Blockchain, baseado em IBM Cloud, para facilitar uma troca segura de dados de saúde, com o objetivo de ajudar a melhorar o atendimento e a atenção ao paciente. A Healthchain usa blockchain para interoperar dados de saúde de maneira descentralizada, permitindo uma versão única da verdade que visa promover a medicina de precisão e ajuda a automatizar processos administrativos.

 

5) Pesquisa: ajudando a encontrar opções de tratamento

 

Finalmente, outro desafio que as instituições de saúde precisam enfrentar é como trabalhar no desenvolvimento de possíveis opções de tratamento para ajudar a combater a COVID-19. No Brasil, alguns estudos estão em andamento com a ajuda do IBM Clinical Development. Os estudos estão sendo conduzidos pela Contract Research Organization Azidus Brazil e pelo laboratório de pesquisa Cellavita, com o objetivo de encontrar possíveis opções de tratamento para ajudar a lidar com a pandemia do COVID-19.

 

*Por Ana Paula Assis, Gerente Geral, IBM América Latina

 

>> Panorama