>> Finanças

Transformação digital do Banco Inter passa pela cloud computing

Instituição busca aumentar escalabilidade e agilidade nos processos para atuar 100% em nuvem até final de 2017 no mercado nacional

Por: Redação, ⌚ 11/09/2017 às 16h46 - Atualizado em 11/09/2017 às 16h46

O Banco Inter possui 23 anos de mercado e atuação em todo o território nacional. Em 2014, a instituição criou a Conta Digital Inter, que oferece todos os serviços por meio online, incluindo a abertura, sem nenhuma cobrança de tarifa. E para melhorar a entrega dos serviços, aumentar a escalabilidade e agilidade nos processos, a empresa inicia um processo de migração de seus serviços e aplicações para a nuvem da Amazon Web Services (AWS).

 

Essa iniciativa tem papel fundamental para desenvolver, testar, empacotar e rodar em produção os diversos sistemas que compõem o ambiente do banco. Até porque, os principais objetivos da instituição são gerar uma redução dos gastos e migrar a operação total para nuvem até o final deste ano.

 

O banco, que atualmente alcançou a marca de 240 mil correntistas, tem como meta fechar 2017 com 350 mil clientes e, para tanto, percebeu que havia a necessidade de investir em ativos e plataformas tecnológicas que o apoiassem nesta estratégia. “Precisávamos de uma solução que proporcionasse agilidade, alta disponibilidade e segurança, provendo infraestrutura imediatamente quando necessário e escalável automaticamente”, diz Guilherme de Almeida, Superintendente de Tecnologia do banco.

 

Segundo Almeida, o grande desafio era estabelecer um modelo de negócios maduro que proporcionasse para a instituição uma transição tranquila do grande parque de aplicações que possuem atualmente. Além disso, a instituição precisava aumentar a escalabilidade das aplicações facilitando a visualização dos custos e margens de valores e operações realizadas.

 

“Com isso, ficou fácil ter métricas, coletar e monitorar arquivos de log, definir alarmes e reagir automaticamente, além de conseguir medir o desempenho de aplicativos e do status operacional em todo o sistema por meio de dashboards de fácil leitura. E isso é o básico. Também temos muitos serviços que facilitarão a quebra de nossas aplicações em micro serviços, onde, hoje, a maioria é bastante monolítica”, acrescenta o executivo.

 

Mesmo ainda em fase de implementação, o projeto de adoção 100% em nuvem AWS promete agregar valor e robustez no desempenho das operações financeiras, levando para seus clientes maior agilidade nos processos. “Essa iniciativa nos trará velocidade para atingir nossa meta de melhorar a experiência do cliente, auxiliando no crescimento da carteira de clientes e na ampliação de nossa atuação no mercado nacional”, finaliza Almeida.

 

>> Panorama