>> Destaque - Mercado

Veeam aposta em novo conceito de hiperdisponibilidade

Durante Conferência realizada nessa semana, em Chicago, Peter Mckay, Co-CEO e Presidente da companhia, destaca os atuais desafios das empresas frente à grande quantidade de dados e aponta os caminhos para uma gestão de dados mais inteligente

Por: Alexandre Finelli, ⌚ 15/05/2018 às 17h34 - Atualizado em 16/05/2018 às 09h27

Segundo a Forbes, o mundo digital acrescentará cerca de US$ 1.6 trilhão na economia global, até 2020. Consequentemente, é fundamental que as companhias providenciem aos consumidores, colaboradores e parceiros a experiência digital que eles demandam. É nesse contexto, que a Veeam apresentou hoje (15), durante sua Conferência realizada nessa semana em Chicago, um novo conceito de Hiperdisponibilidade, mostrando seu reposicionamento no mercado e estratégia para prover uma gestão mais inteligente de dados.

 

“Os dados são hoje o motor das companhias”, disse Peter Mckay, Co-CEO e Presidente da companhia, na abertura da VeeamOn. Na ocasião, o executivo destacou o quanto as empresas, independentes do segmento e porte, dependem das informações para sobreviver, seja para oferecer novos serviços aos clientes ou direcionar tomadas de decisões mais assertivas.

 

No entanto, o volume, a escala e a complexidade em gerir toda essa grande quantidade de dados desafiam a melhor forma de extrair essas informações para transformá-las em algo útil para o negócio. Na visão de McKay, estar disponível não é mais suficiente; é preciso se antecipar às demandas e oferecer a informação correta para o momento em que precisa.

 

É diante desse contexto que a Veeam aposta em um novo conceito de hiperdisponibilidade a fim de ajudar clientes na jornada para uma gestão mais inteligente de dados. Esse reposicionamento, baseado na Plataforma de Hiperdisponibilidade da companhia, levará organizações a entregar serviços digitais de maneira mais rápida, garantindo a continuidade dos negócios, reduzindo riscos digitais e acelerando o processo de inovação nas empresas.

 

A tecnologia, que já vem sendo utilizada por grandes companhias como Mercedes Benz, Telefonica, L´Oreal, Royal Caribbean, entre outras, provê integração, visibilidade, orquestração, inteligência e automação para evoluir a gestão de dados guiada por políticas para ser conduzida por comportamentos, e da gestão manual para uma automação inteligente.

 

Na nova visão da Veaam, há cinco estágios na jornada para a Gestão Inteligente de Dados:

 

Backup: Fazer o backup de todas as cargas de trabalho e assegurar que elas estejam sempre recuperáveis e acessíveis em caso de interrupções, ataques, perdas ou roubo.

Agregação: Garantir a proteção e a disponibilidade de dados em ambientes multinuvem para impulsionar serviços digitais e assegurar a visão conjunta da conformidade do nível de serviço.

 

Visibilidade: Melhorar a gestão de dados em ambientes multinuvem com uma visibilidade clara e unificada e controle do uso, questões de desempenho e operações; a gestão de dados começa a evoluir de reativa para proativa, prevenindo qualquer perda de disponibilidade de dados por meio de monitoramento avançado, otimização de recursos, planejamento de capacidade e inteligência integrada.

 

Orquestração: Mover dados perfeitamente para o melhor local em ambientes multinuvem para garantir continuidade de negócios, segurança e uso otimizado de recursos para operações de negócios. Isso requer um mecanismo de orquestração que possibilite às empresas executar, testar e documentar facilmente e sem interrupções planos de recuperação de desastres (DR) de forma altamente automatizada.

 

Automação: Os dados se gerenciam sozinhos ao aprenderem a fazer o próprio backup, migrarem para locais ideais de acordo com as necessidades do negócio, se protegerem quando houver atividades anormais, e realizarem recuperações instaneamente. Esse estágio traz novos níveis de automação para a gestão de dados corporativos por meio de uma combinação de análise de dados, reconhecimento de padrões e machine learning.

 

“O dado é hoje o principal ativo de uma companhia. É ele quem direciona as tomadas de decisões e é o responsável por aumentar a experiência dos usuários. Cabe às instituições tirar o melhor proveito”, finaliza McKay.

 

*Alexandre Finelli viajou para Chicago a convite da Veeam

 

 

>> Destaques