>> Destaque - Mercado

“Regionalização é a chave do nosso negócio”, afirma presidente da Ingram Micro Brasil

Segundo Luis Lourenço, que assume comando da companhia no lugar de Diego Utge, estar próximo dos parceiros é o que faz os negócios acontecerem, e possibilitou um crescimento de 38% no último mês, em relação ao mesmo período do ano anterior

Por: Jackson Hoepers, ⌚ 31/01/2018 às 15h47 - Atualizado em 31/01/2018 às 16h27

A Ingram Micro Brasil apresentou hoje, 31, em evento para imprensa, Luis Lourenço, o sucessor na presidência da empresa, que assumirá a partir de amanhã no lugar de Diego Utge. O executivo que esteve 7 anos à frente da companhia comandará a Ingram Micro Índia, segunda maior unidade da companhia no mundo, a partir de março desse ano.

 

“Estou muito feliz com esse processo, que já foi planejado durante o último ano, pois sinto confiança nos vários anos de experiência do Luis”, afirma Utge. “A Ingram Micro passou de um distribuidor de caixas para um intermediador de serviços e soluções de tecnologia, inclusive de alta complexidade, e não poderia estar em melhores mãos. Estou muito orgulhoso”, completa.

 

Mercado

 

Segundo Luis Lourenço, a empresa vem crescendo acima do PIB e da indústria de TI como um todo, nos últimos anos. Desde setembro de 2017, viu-se um aumento nos investimentos no setor privado seguindo a retomada do crescimento econômico.

 

“Janeiro foi um mês espetacular: tivemos um resultado 38% maior que o mesmo período no ano passado”, afirma Lourenço. O executivo diz que fabricantes e parceiros estão se mostrando otimistas com o mercado e isso impacta diretamente no faturamento.

 

Utge aponta que as vendas de soluções digitais complexas e o marketplace atualmente representam 30% do faturamento da companhia e todo o negócio de soluções alcança 56%, quando correspondia a 15% há sete anos.

 

Transformação e crescimento

 

Segundo Utge, o investimento em infraestrutura, divisões de estrutura lógica e física, consultoria e serviços são algumas das ações que fizeram a companhia ter maior relevância no mercado.

 

“Passamos imunes pela crise econômica que afetou o País nos últimos anos”, afirma Utge. O executivo revela que a Ingram Micro Brasil aproveitou o momento para ganhar market share, dobrar os investimentos e comprar outras empresas. “Com a melhora prevista na economia, vamos crescer ainda mais”, afirma.

 

“Saber interpretar o mercado e suas mudanças fizeram a companhia tomar decisões assertivas. Em meio a uma crise econômica complexa, conseguimos passar e ficar mais fortes”, aponta Lourenço. “Trabalhar de forma regionalizada, próxima de nossos parceiros, também contribui muito para nosso crescimento”, finaliza.

 

Perspectivas e estratégia

 

De acordo com Lourenço, as empresas precisam saber se adaptar aos novos desafios e assimilar as novas camadas de tecnologia que compõem a Revolução Industrial 4.0, como IoT e cloud, por exemplo.

 

“Conseguimos verificar quais setores teriam maior demanda por tecnologia e buscamos investir nessas áreas”, revela Lourenço. “Nosso papel é ajudar fabricantes e canais a suportar a transformação que estamos vivenciando – somos peça-chave nesse processo”, afirma.

 

Segundo ele, a companhia conta com cerca de 10 mil revendas atualmente e procura isolar suas áreas de atuação, para que cada uma delas cresça de forma contínua. “Temos 1,2 mil canais que atuam em cloud hoje. A maioria desses não existia há 3 anos”, completa Lourenço.

 

Em relação a mudança para Índia, Utge terá como missão levar os avanços realizados aqui no Brasil, como a área de consultoria e serviços, que se tornaram “best practices” na companhia.

 

A unidade Ingram Micro Índia é resultado da compra da Tech Pacific, em 2001, empresa que já possuía quase 30 anos de existência, e hoje conta com mais de 3 mil colaboradores, sendo o maior distribuidor da Ásia atualmente.

 

>> Destaques