>> Destaque - Mercado

Cisco transforma rede em plataforma segura e inteligente

Na sétima edição do encontro Cisco Live! Latam, esta semana em Cancún, empresa anuncia produtos que reforçam sua própria transformação, de provedora de tecnologia de redes para empresa que oferece uma plataforma baseada em security, automação e performance

Por: Graça Sermoud, ⌚ 06/12/2018 às 13h43 - Atualizado em 06/12/2018 às 14h58

Embora a Cisco seja reconhecida como uma empresa de tecnologia de rede, a companhia californiana vem empenhando esforços, nos últimos anos, para se reposicionar no mercado e ser vista como um player que oferece uma plataforma segura e inteligente, aliada dos clientes em seus processos de transformação digital.

 

Com quase 34 anos de existência, a Cisco sabe que a velocidade de mudança poderá custar a sobrevivência de várias companhias do segmento de TI. A empresa entende também que se trata de uma revolução sem precedentes, com implicações relevantes, determinando que muitos players de hoje deixarão de existir em três anos.

 

“Com o nosso DNA, temos uma grande vocação e a oportunidade de apoiar a transformação digital dos nossos clientes e de todas as empresas, oferecendo uma arquitetura segura e com performance”, reforçou Jordi Botifoll, presidente de Cisco para América Latina. Para ele, a questão da segurança ocupa uma posição central nesse processo.

 

Na verdade, para a Cisco, faz todo sentido ocupar esse papel, porque a infraestrutura é vista pela companhia como a ponte para o avanço seguro das aplicações digitais, como reforçou Karen Walker, VP Global e CMO da companhia em sua palestra de abertura.

 

A executiva reforçou essa “função” da empresa de representar um elo para o salto dos clientes em direção às aplicações digitais. Com esse discurso, a Cisco resgata sua tradição e reforça, de certa forma, sua própria história, retratada na logomarca da empresa que mantem uma figura estilizada da famosa ponte Golden Gate, símbolo da cidade californiana de São Francisco.

 

Travessia segura

 

Um dos passos importantes nessa mudança, foi dado pela Cisco no ano passado quando lançou o conceito de rede intuitiva, com recursos de analytics e segurança. Para montar essa plataforma foram realizadas aquisições de software, sendo uma das mais relevantes a compra da AppDynamics em 2017, solução de monitoramento de negócios, por US$ 3,7 bilhões de dólares.

 

Na área de segurança, a empresa também fez uma importante movimentação com a compra da fornecedora de segurança cibernética Duo Security por 2,35 bilhões de dólares, a maior aquisição da Cisco no setor de cibersegurança desde a compra da Sourcefire, em 2013, por US$ 2,7 bilhões de dólares.

 

Três pilares

 

A transformação da Cisco está sendo apresentada como uma nova plataforma baseada em pilares como multicloud, rede intuitiva e security. Na área de multicloud, o objetivo é garantir que as transferências entre múltiplos ambientes, cada vez mais comuns nos modelos em nuvem, estejam protegidas e sejam realizadas sem perda de performance.

 

O segundo pilar foi batizado de Cisco Network Intuitive, considerado por Carlos Torales, diretor de Arquitetura como o mais importante lançamento da empresa nos últimos dez anos. “Demos um salto em relação à rede, garantindo vantagens no processo de digitalização, principalmente na questão da agilidade.”

 

“As empresas não podem levar um ano para entrar em uma plataforma digital”, enfatiza ele. A intenção é assegurar que a arquitetura de rede, especialidade da empresa, ganhe cada vez mais “inteligência”, a ponto de garantir performance em um cenário de múltiplas aplicações.

 

O terceiro pilar se baseia em segurança. De nada adianta plataformas inteligentes, mas desprotegidas. A ênfase na área de security se transformou em mantra da Cisco nos últimos anos. Nesse ponto, a empresa enxerga grande vantagem sobre os concorrentes, em função da forte base instalada presente em grandes e médios clientes. Agregar segurança a essa base é uma oportunidade de ampliar sua oferta para os atuais clientes de network e conquistar novos usuários, principalmente os de médio porte.

 

No capítulo segurança, o diferencial para a Cisco é dar ao usuário a capacidade de identificar anomalias no tráfego. Quando um cartão de crédito é roubado, os bancos identificam que o padrão de compra mudou. Na rede, o objetivo é o mesmo, encontrar desvios de padrão de tráfego. “Identificar automaticamente esses desvios é algo disruptivo”, pontua Carlos Torales.

 

Novos caminhos

 

Para essa semana do evento, a empresa reservou anúncios que suportam a estratégia dos três pilares, envolvendo áreas como mobilidade, IoT, nuvem e segurança. Entre esses anúncios estão novas opções na família Catalyst 9000, os produtos que basicamente trazem inteligência para a plataforma. Essa família é considerada hoje o produto de maior êxito da Cisco.

 

A novidade da semana aqui em Cancún é a disponibilidade dos recursos da família Catalyst para os produtos de acesso, os famosos switches, campeões de venda da companhia. Para a Cisco, trazer esses recursos para a borda significa ampliar sua oferta na América Latina, principalmente no segmento de pequenas e médias empresas, a ponto de Carlos Torales considerar esse anúncio um dos mais relevantes para a região.

 

Da mesma forma, a empresa apresentou o novo Catalyst 9800 wireless controller, que adiciona ao mundo sem fio os mesmos benefícios, como automatização e segurança. A estratégia é oferecer o appliance em vários formatos, on-premise, em nuvem ou mesmo dentro de um switch.

 

No segmento de Network, a menina dos olhos da Cisco é a SD-WAN. Pelos registros da companhia o tráfego de SD-WAN irá crescer cinco vezes de 2017 a 2022. Em função disso, anunciou também um modelo de SD-WAN Security, com toda a capacidade de integração com firewall e IPS.

 

Por último, mas não menos importante, está o anúncio na área de segurança na plataforma intuitiva com o conceito de Zero Trust, o que significa que não podemos confiar naquilo que não medimos. Essa solução conhecida como Cisco Duo atua com análise de credenciais, criando uma linha do tempo do usuário dentro da rede.

 

Essa linha inclui seu ingresso, a validade e o monitoramento. Caso aconteça alguma anormalidade, o sistema promete um modelo rápido de contra-ataque. A aquisição da Duo Security veio reforçar essa estratégia trazendo uma solução de dupla autenticação.

 

* Graça Sermoud viajou para Cancún a convite da Cisco

 

>> Destaques